O lado Matisse de Murakami

[4 jun 2012 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

 

A capa do livro de Murakami

 

 

 

Há 75 anos, Henri Matisse lançava o livro Jazz. Inicialmente, seria um livro de ilustrações sobre poemas. Mas a obra cresceu e tornou-se um autêntico catálogo de obras inéditas do pintor francês. E uma pequena bíblia da arte modernista.

 

E uma viagem de abstração.

 

Colagens, modernismo, abstração, e, principalmente, viagens e poemas, é o que sempre se vê na obra do chef Tsuyoshi Murakami. E é o que se espera no livro Kinoshita e o Jazz de Murakami, que o chef acaba de lançar pela editora BEI (252 páginas, 150 reais).

 

Viagens, são duas: uma ao Japão, que resultou no vídeo do cineasta Marco Aslan (em CD anexo) e na narrativa do jornalista João Gabriel de Lima. A outra, a da própria trajetória do sensei e de seu restaurante, na Vila Nova Conceição.

 

É ali, no balcão do restaurante, que se tem idéia da ligação entre Murakami e Matisse, através das criações modernistas das inúmeras colagens que faz em suas criações, que estão um jazz à frente do que se espera de um sushibar, seja em termos de vanguarda de suas criações – ou nas poesias de suas tradições.

 

Kinoshita

Rua Jacques Félix 405

Vila Nova Conceição

São Paulo

 

 

 

O baldão do Kinoshita: Jazz nas colagens e nas poesias.

 

 

 

 

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *