joomla site stats
Tag: Portugal
 
Quinta do Pinto Branco
[17 fev 2018 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Uma das antigas histórias sobre a trajetória dos vinhos de Lisboa já apontava o rumo da qualidade do futuro vinho da Estremadura. Dizem autores como Richard Mayson, em seu livro Wines of Portugal, a respeito do sucesso daqueles vinhos em Londres,  – na época da presença das tropas dos aliados ingleses, durante a resistência de Portugal [ Leia mais… ]

 
Tomate miúdo
[11 jan 2018 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

  Saladas alentejanas, há várias. Abusam de folhas, bacalhaus, azeitonas, algumas se aproximando até das fórmulas internacionais da salade niçoise. O curioso é que poucas delas recorrem ao tomate, um dos ingredientes que aquela saborosa fatia de Portugal mais preza em sua cozinha. Esse aí é o chamado tomate miúdo, que tem a suculência, a [ Leia mais… ]

 
Queijo Azeitão
[11 jan 2018 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Hero breakfast das segundas-feiras: queijo azeitão na colher, tal como concebido por um empresário de Setúbal, que mandou vir tudo o que era necessário para produzir a sua versão da distante Serra da Estrela, das ovelhas e do coalho aos queijeiros, (ditos roupeiros), suas famílias, instrumentais e outros quetais.Importação legitima de um pais chamado Setúbal, [ Leia mais… ]

 
Filé à festival
[3 nov 2017 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

  Consultando antigos livros de receitas da hotelaria lisboeta, reparava que os restaurantes mais finos tinham cardápios com mais filés do que bacalhaus. São famosos até hoje os filés à Café, o embriagado, à marrare e, como esse aí, à Lisboa, no formato à cavalo, que os portugueses conhecem como bitoque.   Por isso não [ Leia mais… ]

 
Doce de tomate
[12 set 2017 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Doce de tomate   2,5 quilos tomate maduro 1,250 quilo de açúcar 1 pau de canela 2 tiras de casca de limão 2 cravinhos (cabeça) 6 a 8 potes de vidro bem lavados   Tire a pele dos tomates. Depois de lavá-los bem, dê um golpe na pele, em cruz, no lado oposto ao pedúnculo. [ Leia mais… ]

 
Farinheiras, é?
[17 dez 2016 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

A farinheira dessa foto acima, servida no recém-inaugurado Da Silva, no CasaShopping, felizmente, já nos chega sem os dentes arreganhados da arrecadação. Delicadas mas intensas, defumadas e deliciosas, são as farinheiras,  denominação genérica de chouriços defumados de massa de carne de porco e especiarias ligada com farinha de trigo, adicionadas de sal, alhos secos pisados [ Leia mais… ]

 
Almoço no Esporão
[27 ago 2015 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Reguengos, Portugal. Em um só almoço, não se esgotam as histórias sobre a Herdade do Esporão. Elas começam na chegada, com as pedras (literalmente) no caminho até a sede contando a saga da propriedade desde as origens medievais.  Na própria torre são servidos os pratos da terra, em belíssimas apresentações, logo após a degustação dos [ Leia mais… ]

 
SeaMe: modo de usar
[10 abr 2015 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Peixaria Moderna é a assinatura dessa casa no chiado, em Lisboa. Vá de táxi, para evitar a procura por uma vaga impossível de carros. E para aproveitar a caminhada, a partir da Baixa, subindo o Chiado, inclusive pela sugestiva Rua do Alecrim. Do lado de for a, o SeaMe parece uma loja de moda praia. [ Leia mais… ]

 
O riesling português, parte 1
[8 abr 2015 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Arrepiado Velho seria um daqueles nomes divertidíssimos de blocos cariocas. Isso, se já não fosse uma das mais celebradas vinícolas do Alentejo moderno. Não são de lá, mas chegaram após as dicas de David Booth sobre a área de Sousel, na sub-região de Portalegre. Os rieslings dão um show de frescor (em Portugal, eles dizem [ Leia mais… ]

 
A corvina de José Avillez
[15 dez 2014 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

CORVINA COM MEXILHÕES, ALHO FRANCÊS E AÇAFRÃO Mesmo no momento mais técnico, qualquer chef deve manter o bom humor. No caso de José Avillez, em seu programa de fim de ano na tevê portuguesa, ele incluiu na receita de corvina duas doses de um ingrediente, quando a receita só requer um: champanhe. Duas flutes. Usou [ Leia mais… ]

 
A onda dos percebes
[25 out 2014 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Curiosa, assustadora e polêmica especialidade das costas portuguesas, galegas e asturianas, trata-se de um crustáceo que se prende à rocha, na altura das ondas, com um pé longo, escuro e rugoso, que termina em uma cabeça de cascas duras mas bem lisas, como se fossem bicos de pássaros tragados pelo pena de algum designer hiper-realista. [ Leia mais… ]

 
Encruzado: Quinta dos Roques
[3 ago 2014 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Pouco conhecida, recentemente badalada, a uva encruzado é uma das novas modas no panorama vinícola de Portugal. Do Dão, mais exatamente, onde essa casta branca cresce com mais graça, tanto no solo quanto no copo. É uma uva curiosa, instigante, que pode trazer rótulos que combinam itens que podem ser quase concorrentes em uma degustação, [ Leia mais… ]

 
Grande, Comenda, grande…
[1 jun 2014 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

São 20 quilômetros de Évora, a Comenda Grande tem um savoir faire que vem de 1880. Interromperam por um tempo e a terra viu crescer a cortiça, o olival, os rebanhos de ovelhas, da raça merina e do borrego alentejano. Voltaram em 2000 e começaram com uma área pequena: 30 hectares contra os 750 da [ Leia mais… ]

 
Frescor de Varal
[24 mar 2014 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Um dos vinhos de entrada de gama da HRM – Herdade do Monte da Ribeira, o Varal é um vinho branco de bela acidez, fresco, cítrico, doçura de frutas e nariz de ervas frescas e das flores da região de clima seco, de temperaturas mais elevadas, uma das que mais crescem na região, em conceito. [ Leia mais… ]

 
A Vidigueira, segundo HMR
[7 mar 2014 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

A corrida pelo Alentejo foi assim mesmo: corrida. Quinze vinícolas em quatro dias, de alto a baixo da região. E se não conseguimos ir a boa parte da Vidigueira, então boa parte da Vidigueira veio a nós. Foi assim com a HRM, acrônimo nobre da Herdade do Monte da Ribeira. Ali, no bem arrumadíssimo núcleo [ Leia mais… ]

 
Unha bem feita
[21 fev 2014 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Durante uma degustação na Herdade do Esporão, surge a questão: o que a industria dos cosméticos não perde ao dispensar uma boa degustação de vinhos… A brincadeira serve para apontar, sem trocadilho, um dos itens de análise e até de avaliação de vinhos tintos. é a unha do vinho, nome suspeito e mal escolhido para [ Leia mais… ]

 
Imagina na Kopke…
[19 fev 2014 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Adoráveis os rótulos das garrafas de vinhos do porto da Kopke. Ainda conservam aquela antiga aplicação em silk screen. Só se vê lá e em madeiras mais tradicionais. O importante é que estão chegando ao Brasil com essa sua assinatura secular – e abriram a mesa na apresentação oficial de sua importadora, a WineMundi, de [ Leia mais… ]

 
Herdade dos Grous
[11 fev 2014 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Uma pesquisa recente mostra que o Herdade dos Grous já está em sexto no paladar português, atrás apenas de ícones como Barca Velha e Pera Manca. “Logo na primeira vindima, em 2004, já conquistamos prêmios de melhor vinho pela Expovinis e pela Confraria de Enófilos do Alentejo.”, diz o enólogo Luis Duarte, que não investe [ Leia mais… ]

 
Herdade da Ajuda Nova
[27 jan 2014 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Vendas Novas, meio caminho entre Lisboa e Évora, o portal da vibração dos vinhos alentejanos. Na Herdade da Ajuda Nova, começam bem: são121 hectares de vinhas, mais de 80% delas reservadas às tintas, especialmente trincadeira, aragonês, castelão, alicante bouschet, syrah e a agora indefectível touriga nacional. Há ainda 12 hectares de vinhas velhas, em que [ Leia mais… ]

 
O Premium da Ajuda Nova
[27 jan 2014 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Vibrante, cheiroso, intenso, enfim, um vinho guloso, como dizem por lá. É um reserva 2009 que ainda tem muito a revelar das frutas que já mostrou, em corpo elegante, de taninos e acidez que ainda vão longe. Mesmo assim, foi submetido a uma prova especial: pratos consistentes como as burras (bochechas) de porco, a rabada, [ Leia mais… ]

 
Alentejo 2.0: Syrah e Touriga
[27 jan 2014 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Equilibrado, muito agradável, de aromas maduros de duas uvas que apontam o futuro do Alentejo, na combinação, quase meio a meio, das castas syrah e touriga nacional. Uma, pelos resultados diante dos rigores – calores, solos, secores; outra, pela potência e opulência de uma bandeira nacional, que, tal como na história de Portugal, desceu do [ Leia mais… ]

 
Ajuda Branco, 2012 e 2013
[27 jan 2014 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

  Um dos vinhos da Herdade da Ajuda no caminho para o topo de gama. Aqui, temos a dupla de ataque da seleção alentejana, arinto e antão vaz, com um toque de verdelho e sustentados com 4 meses de barricas francesa e americana. Minerais, estrutura e frutas tropicais no 2013; há maciez, leveza, jasmins, oréganos, [ Leia mais… ]

 
Pêra Manca
[20 jan 2014 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

O Pêra Manca é um daqueles vinhos estranhos, que desafiam o paladar em cada gole, em cada minuto de evolução, em cada grau de temperatura. E muda de copo pra copo. Há notas eruditas, mas vou ficar com um lado mais lúdico, com muitas lembranças de infância que nada têm com a evolução do paladar, [ Leia mais… ]

 
O Tavares de Henrique Mouro
[18 jan 2014 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Enquanto o chef Henrique Mouro não responde ao meu pedido de entrevista fico fazendo, cá, meu exercício de ficção culinária, imaginando como estaria o cardápio do Tavares, velho restaurante lisboeta, cansado de guerra, que um grupo resolveu tirar da decadência e salvar da extinção, de duas formas. Uma, reformando e reabrindo; outra, recorrendo à visão [ Leia mais… ]

 
Casa Amarela
[16 jan 2014 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Essa joaninha vermelha não está nos rótulos da Quinta da Casa Amarela porque é fofa. É por reconhecimento. Nosso adorável inseto de pelúcia é também um valente instrumento de combate a pragas de vinhas como as do Douro, causando inclusive um curioso efeito de confusão sexual nas traças.   Lá, elas garantem não somente a [ Leia mais… ]

 
A máxima do Porto
[15 jan 2014 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Neste ano, no mês de julho, veremos Portugal disputando mais uma de suas muitas copas. Formalidade, já que, em muitos copos, não há disputas. É caso da Casa Fonseca. Poucos rótulos colecionam tantas notas máximas, como os 100 pontos da Wine Spectator, séries dos vintages de portos da vinícola. Mas a festa de suas conquistas [ Leia mais… ]

 
Turbot: o rei dos linguados?
[6 jan 2014 | Pedro Mello e Souza | Um comentário ]

“Cy commence le viandier Taillevent, maistre queux du Roy de France, ouquel sont contenues les choses qui s’ensuivent: Et premièrement: Pour dessaler toutes manières de potaiges. Pour oster l’arsure des potaiges que l’en dit aours. Bousture de grosse chair. Turbot Hericoc de mouton; boully lardé”.   (Le Viandier de Taillevent, século 15)   Pelo trecho [ Leia mais… ]

 
A rosa das guardas
[25 dez 2013 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Ok, Sophia Bergqvist não é um nome de origem portuguesa – convenhamos, na área dos vinhos do porto, poucos o são. Mas o sotaque bem lusitano da proprietária da Quinta de la Rosa mostram a altivez portucalense com que a sua família comanda a vinícola há quase um século. É bem verdade que os seus [ Leia mais… ]

 
Bucellas
[22 dez 2013 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

Houve um tempo em que Bucellas era famoso por ser um vinho licoroso e, hoje, quase desaparecido sob a modernidade dos portos, madeiras e moscatéis de Setúbal. Fez fama entre viotrianos e elisabetanos. Mas temos aqui o lado moderno de Portugal – e da nova denominação Lisboa, antiga Estremadura – que mostra a suas faces [ Leia mais… ]

 
O manual do atum 1: os cortes
[20 dez 2013 | Pedro Mello e Souza | Sem comentários ]

O bom atum pode ser maior e mais pesado do que uma bela vitela. Os chefs mediterrâneos sabem disso muito bem. Os sushimen, mais ainda. E todos eles selecionam direitinho o corte do peixe que vai servir à sua receita, seja ela crua, grelhada, curada ou em conservas. Por isso, desenhar o atum com aquele [ Leia mais… ]